Anabolizantes e suplementos: Qual a diferença?

Para aumentar massa muscular existem pessoas que buscam um resultado mais rápido do que o treino de musculação oferece. A ajuda para isso pode vir de duas formas: anabolizantes e suplementos nutricionais. Mas qual a diferença entre eles?

De acordo com o fisioterapeuta Pedro Nicolato, suplementos são complementos nutricionais e podem ser classificados em várias categorias. Os anabolizantes são um recurso ergogênico hormonal utilizado para aumentar síntese protéica e reparação tecidual para se recuperar mais rápido de lesão e favorecer o ganho de massa muscular. “O benefício do suplemento na musculação é fornecer aquilo que o atleta não consegue através da dieta”, completa. Segundo o profissional, o uso indiscriminado dos anabolizantes sem acompanhamento de médico especialista é errado. “Eles foram inventados para o uso em doenças e não em academias”, completa o fisioterapeuta.

A estudante de Educação Física Carol Castro reforça a ideia: “Suplementos alimentares como o próprio nome já diz, são indicados para suplementar a alimentação de um indivíduo que tem alguma carência de algum nutriente no organismo ou para atletas que buscam um melhor desempenho, um melhor resultado nos treinos. Devem ser indicados de preferência por nutricionistas com base em uma alimentação balanceada. Já os anabolizantes, são hormônios indicados por profissionais da saúde com total cautela e segurança a quem necessita por ter problemas de saúde ou insuficiência hormonal.” Segundo Carol, as pessoas que buscam o ganho de massa muscular de maneira rápida, insistem em tomar anabolizantes sem consciência do que estão fazendo, podendo assim se prejudicar colocando a própria vida em risco.

musculação2Fonte: Cultura Mix

 

Andressa Costa

Anúncios

Campanha de Doação de Sangue

A Fundação Hemominas realiza a campanha de doação de sangue. É um exercício de cidadania e solidariedade, um gesto simples que pode salvar até quatro vidas.

No país, as pessoas doam geralmente apenas quando um parente precisa. Thuany Tavares, fisioterapeuta, sempre foi a favor da doação, mas nunca separou um tempo de verdade para doar. “Até que um dia meu próprio pai precisou fazer uma transfusão, foi aí que realmente separei um tempo”. Além de ajudar o pai, Thuany ajudou mais três pessoas. “A doação não durou nem 5 minutos e pode salvar uma vida inteira. Então separar um tempo para doar é uma prova de amor maior por aquele que também não conhecemos”, disse.

A estudante Yasmine Moreira reforça a ideia de doar sempre que puder. “Não custa nada ir, tiramos apenas um tempinho do nosso dia, que pode salvar uma vida”, afirmou.

doe sangueFonte: Quem pode doar sangue?

Mas, para doar, deve ficar atento às condições básicas: ter acima de 50 kg, idade entre 18 e 67 anos, boa saúde e não ter tido hepatite após os 11 anos de idade.

É possível ligar para 155 e agendar a doação. A ligação é gratuita. Ou comparecer ao hemominas na Rua Barão de Cataguases, s/n – Centro. O horário de funcionamento é de segunda a sexta, 7h às 18h e nos sábados de 7h às 11h.

 

Andressa Costa

Conscientização contra o tabaco, 31 de maio

Em Juiz de Fora, a Secretaria de Saúde fará uma ação para conscientizar as pessoas ainda mais sobre os prejuízos que o tabaco causa à saúde. Em 31 de maio é comemorado o dia Mundial sem Tabaco. O tema definido pela organização no ano de 2014 será “Aumentar impostos dos produtos do tabaco – Reduzir doenças e mortes”, a atividade será realizada na galeria dos Previdenciários (PAM Marechal), na Rua Marechal Deodoro, 496 das 9 as 11h e das 13 as 17h.

Semana-Nacional-de-Combate-ao-Fumo (1)

Na década de 60 o cigarro era símbolo de posição social. As pessoas que fumavam tinham uma conotação de sedutores. Os homens que fumavam, atraíam mais as mulheres e as mulheres que faziam uso do tabaco eram vistas como ousadas, símbolo de ostentação, ou seja, na época era um ponto positivo fumar. Com o passar do tempo, as pessoas foram tomando consciência de que o cigarro fazia mal à saúde e então em 1996 a propaganda de cigarro em TV aberta foi proibida, com essa ação, 33% dos brasileiros a deixarem de fumar, segundo pesquisa realizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Além de proibir a veiculação das propagandas de cigarro, outras atitudes foram tomadas, como por exemplo, em 1988 foi feita a obrigatoriedade da frase: “O Ministério da Saúde adverte: fumar é prejudicial à saúde” nas embalagens dos produtos derivados do tabaco, em 1990 foi feita a obrigatoriedade de frases de alerta em propagandas de rádio e televisão e com tantas outras ações, em 31 de maio é comemorado o dia Mundial sem Tabaco.

​Em contato com a Secretaria de Saúde de Juiz de Fora, a ação vai contar com palestra de médicos relacionados ao assunto, oficinas de conscientização, dicas de como parar de fumar e palestras de auto ajuda.

Segundo o produtor rural Olavo Pereira, fumante, o tabaco fez parte da sua infância e adolescência e hoje em dia é muito difícil para ele tirar o fumo da vida. “Meu pai plantava e vendia fumo, eu trabalhava com ele e tinha que fumar para experimentar o fumo, para ver se estava bom ou não. Depois que cresci já tinha me acostumado com aquilo. E naquela época nós não tínhamos a consciência de que fazia mal.”

O estudante Caio Paiva, não fumante, concorda com a iniciativa da Secretaria de Saúde porém acha que o aumento do imposto nos produtos do tabaco não fará com que os fumantes parem de consumir o produtor. “Acho importante a população receber dicas para saber exatamente o que estão fazendo.”

29-cigarro

 

Marcela  Alves

Campanha de vacinação contra a gripe não atinge meta

Terminou no dia 9 deste mês a campanha de vacinação contra a gripe na cidade de Três Rios. Ela atingiu crianças de seis meses à cinco anos, pessoas acima dos 60 anos, trabalhadores na área da saúde, povos indígenas, gestantes, mulheres com até 45 dias após o parto, população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional. Segundo Gabrielle Guimarães, coordenadora da campanha, cerca de 50% da população trirriense foi vacinada até a véspera do encerramento, porém somente nove mil pessoas deste total pertencem o público-alvo desejado.
images
(Foto: Internet)
Mesmo assim, a meta não foi atingida, afinal, o objetivo do Ministério da Saúde é de 80% da população de cada município  receber a imunização.
10331669_825965057436940_1480933458_n
(Foto: Larissa Pissurno)
 

Larissa Pissurno

Doenças recorrentes no outono

O outono é a época do ano em que a temperatura está mais amena, manhãs e noites mais frescas e tardes bem quentes. Com essa mudança de temperatura, pode ocasionar em algumas pessoas doenças respiratórias, além da dificuldade para respirar devido o ar que fica mais seco, comprometendo as trocas gasosas dos pulmões. É muito importante ficar atento com o grupo de risco, que são os idosos, crianças, grávidas, imunosuprimidos e pacientes com doenças pulmonares por serem mais vulneráveis a quadros gripais.

espirro

(Foto: Getty Images)

De acordo com o médico Thiago Costa dos Santos, as doenças mais comuns são ligadas ao aparelho respiratório. São principalmente: alergias, amigdalites, faringites, sinusites, rinites, e até mesmo a conjuntivite. Sem esquecer as famosas gripes e resfriados e o agravamento dos quadros de bronquite e asma. “Todas elas são de processo inflamatório e proliferação bacteriana de fácil tratamento assim também de fácil diagnóstico”.

Thiago reforça que o ideal é estar com a saúde nas melhores condições e sempre se prevenir. Se possível evitar lugares fechados, com grandes aglomerações de pessoas, variações bruscas de temperatura, consumo de bebida muito gelada e obviamente evitar o contato com pessoas já sintomáticas. “Uma dica importante, principalmente para os alérgicos, é colocar os casacos, blusas e cobertores que estavam guardados para lavar evitando desencadear um processo alérgico logo de início”.

O médico recomenda: Alimentar bem, aumentar a ingestão hídrica (principalmente quando estiver gripado), dormir bem, evitar o uso excessivo dos antigripais (pois podem estar mascarando os sintomas e escondendo o verdadeiro diagnóstico, além de poder prejudicar com os efeitos colaterais), estar com a vacinação em dia e atento com as campanhas vigentes (principalmente idosos), lavar as mãos antes de se alimentar e utilizar álcool em gel 70°INPM nas mãos como forma de higienização. E claro, sempre consultar o seu médico.

 

Andressa Costa

Três Rios recebe mamografia itinerante

A Praça de São Sebastião, localizada na cidade de Três Rios, virou sede do mamógrafo móvel. Esse caminhão do governo do Estado disponibilizará exames gratuitos paras as mulheres da cidade. É um mamógrafo com aparelhos digitais, que está disponível para realizar biópsias mamárias.

A carreta é toda equipada, climatizada, e além de tudo tem como logo o corpo de uma mulher e as cores da lona remetem a campanha contra o câncer de mama. A capacidade semanal de atendimento é de 60 mamografias e 25 biópisia. Por mês, devem ser beneficiadas cerca de duas mil mulheres.

Os exames são agendados na Secretaria Municipal de Saúde, e o atendimento será das oito da manhã até as 16:30. Cerca de 48 horas antes do dia da consulta as pacientes que possuem aparelho celular receberão uma mensagem confirmando data, horário para o exame.

De 10 a 15 dias, a paciente receberá o laudo do exame, e após esse procedimento será encaminha para algum mastologista da rede pública da cidade.

10248966_810348502331929_1566198497_n

(Foto: Larissa Pissurno)

 

Larissa Pissurno

Programa do governo causa polêmica entre estudantes de Medicina

Desde que foi implantado o programa Mais Médicos tem levantado discussões, o formato da “importação” de médicos de outros países foi alvo de duras críticas de associações representativas da categoria, sociedade civil e estudantes da área da saúde. Para a estudante de Medicina Patrícia Oliveira, o Brasil é um país que precisa mesmo de médicos em algumas regiões, principalmente em lugares mais afastados, porém o programa do jeito que foi feito está muito errado. “Esses médicos entraram sem critério nenhum, não sabemos a qualificação deles e ainda estão vindo para a região sudeste, onde é maior o número de médicos”.

O estudante de Medicina e acadêmico do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (UFRJ) Marcos Campos, afirmou que o Mais Médicos é mais um programa eleitoral que assistencial. “O governo atual fechou 42 mil leitos nos últimos anos, os hospitais universitários sofrem a pior crise da história e o atendimento em saúde nunca foi tão mal avaliado. A solução para o caos na saúde demoraria muito tempo para se mostrar nítida para a população, então foi mais fácil anunciar que a culpa é a falta de médicos e trazer profissionais sem comprovação dos seus diplomas, que estão cometendo muitos erros já denunciados aos conselheiros de medicina”.

Para Marcos Campos, inaugurar médicos é mais barato que inaugurar hospitais, mas infelizmente isso não traz saúde para a população, “médico sem equipe, sem enfermeiro, dentista, fisioterapeuta, sem luvas, sem remédios, sem centro cirúrgico não resolve nada”.

Em defesa dos médicos estrangeiros, a médica cubana Maria Josefa Herrera, formada há 25 anos, disse que o objetivo dela aqui no Brasil é oferecer um atendimento de qualidade a toda população e ajudar os que precisam. “Já trabalhei em outros países como África e Guatemala, lá contribui com meus conhecimentos para exercer a minha profissão e fiz isso com sucesso e aqui no Brasil não vai ser diferente”. A médica ainda acrescentou, “eu quero que o povo brasileiro me aceite como profissional que sou”.

O programa foi lançado em julho de 2013 pelo governo, para complementar as equipes médicas com o intuito de suprir a carência nos municípios do interior e nas periferias de algumas cidades do Brasil, onde há ausência e escassez de profissionais.

1278817_575227749180769_1496571096_o

(Foto: Marcos Campos – Arquivo pessoal)

 

Jéssica  Almeida

Vacina contra o HPV é distribuída para moradores de Três Rios

A campanha de vacinação contra o vírus HPV já começou no município de Três Rios. O HPV ou Papilomavírus, é um vírus de transmissão preferencialmente sexual, que pode ser prevenido através de uma vacina.

A Secretaria de Saúde da cidade informou que as doses serão distribuídas em escolas públicas e particulares. Tem como público alvo meninas de 11 e 13 anos, com a intenção de prevenir o câncer no colo do útero, enfermidade consequente do vírus HPV.

Gabrielle Guimarães, coordenadora da campanha destacou a importância da prevenção para diminuir a incidência de câncer de colo de útero em até 61%. Segunda ela a vacinação precisa ter inicio nesta faixa etária pois, de acordo com o Ministério da Saúde, a vacina tem maior eficiência em pessoas que nunca estiveram próximas ao vírus.

A campanha nas escolas contra o vírus só terá vacinas distribuídas às adolescentes mediante apresentação do documento enviado aos responsáveis, devidamente assinado, autorizando assim a menor à tomar a primeira dose da vacina.

A vacinação foi dividida em três fases: A primeira dose nas escolas, que terá encerramento no dia 10 de abril; a segunda dose deve ser aplicada 6 meses após a primeira, tendo previsão de início o mês de setembro de 2014. E a terceira e última dose, é apenas 5 anos após a primeira vacinação. Prevista, então para março de 2019.

Para outras adolescente e mulheres que buscam essa prevenção , a vacina estará disponível na Rua da Maçonaria, nº 320, e nas unidades de saúde da família distribuídas pelos bairros da cidade, após o dia 10 de abril que é o encerramento da vacinação nas escolas.

 

Larissa Pissurno